Beatriz Manteigas
14 Maio, 2020
Mário Henrique Leiria
29 Maio, 2020
Voltar

Júlio Resende

29 Maio, 2020
Julio-Resende-Goa-2008-oleo-s-papel-colado-em-tela-18x245cm

Júlio Resende – Goa

Artista: Júlio Resende Título: Goa Dimensões: 18x24,5cm Data: óleo sobre papel colado em tela Técnica: acrílico sobre papel

SOBRE:

1917-2011
Pintor e professor

Júlio Martins Resende da Silva Dias nasceu no Porto a 23 de Outubro de 1917. Era o segundo dos quatro filhos de Manuel Martins Dias, comerciante, e de Emília Resende da Silva Dias, professora de Música no Conservatório do Porto. Foi baptizado a 19 de Novembro desse ano na paróquia da Vitória.

Habituado a viver num ambiente artístico, dotado de forte cultura musical, desde cedo se dedicou à pintura e à ilustração. Este caminho que escolheu para a sua vida gorou as expectativas dos progenitores, esperançados em que o filho optasse por uma carreira musical ou por uma comercial. Com a ajuda de Aurora Jardim, colaboradora de dois dos mais populares periódicos do Porto, do Jornal de Notícias e d’ O Primeiro de Janeiro, foi encaminhado para as aulas de desenho e pintura da Academia Silva Porto, orientadas por Alberto Silva. No entanto, apesar desta aposta num futuro artístico, para agradar ao pai trocou o curso liceal por um curso comercial entre 1934 e 1935.
Em 1935 participou na Grande Exposição dos Artistas Portugueses e retratou o avô materno a lápis, num trabalho assinado, pela primeira vez, com o nome Júlio Resende, em homenagem à mãe.

Em 1953 instituiu as Missões Internacionais de Arte, que se estrearam em Trás-os-Montes, e voltou ao Porto. Nos dois anos seguintes, na Póvoa de Varzim, deu aulas na Escola Comercial e Industrial e promoveu a segunda edição da Missão Internacional de Arte.
Com o arquitecto João Andresen e o escultor Barata Feyo integrou, em 1956, a equipa vencedora do concurso para o monumento do Infante D. Henrique, em Sagres, com o protejo Mar Novo. Todavia, esta obra não viria a ser concretizada por não ser do agrado de Oliveira Salazar. Nesse ano, terminou o curso de Ciências Pedagógicas na Universidade de Coimbra.

No início dos anos 60 viajou por França, Itália e Inglaterra. Foi tema de uma exposição retrospectiva promovida pelo Secretariado Nacional de Informação e executou, entre outras obras, os murais do Palácio da Justiça do Porto e do Banco Pinto de Magalhães, cenários e figurinos teatrais, um fresco para o Tribunal de Justiça de Anadia, a ilustração da obra Aparição de Vergílio Ferreira, e seis painéis em grés para o Palácio da Justiça de Lisboa.
Nesta época, paralelamente à actividade artística, progrediu na sua já bem sucedida carreira universitária, na ESBAP. Em 1962 prestou provas públicas para professor, sendo nomeado primeiro assistente de Pintura em 1963. Mais tarde, exerceu funções de gestão (1974) e foi eleito Presidente do Conselho Directivo (1975), cargo que absorveu a totalidade do seu tempo até 1976.

Nos anos setenta dirigiu a parte estética do Espectáculo de Portugal na Exposição Mundial de Osaka, realizou cenários para teatro, ballet e cinema, ilustrou obras literárias e fez várias viagens ao Brasil e a Espanha. Na sua primeira viagem ao Brasil (1971), conheceu na Baía o escritor Jorge Amado e o artista Mário Cravo Filho. E na de 1977, ao Nordeste Brasileiro, encontrou-se com os artistas Sérgio Lemos e Francisco Brennand.

Em 2017 nas comemorações do “Centenário do nascimento do Pintor Júlio Resende” a sua vida e obra foram revisitadas. O programa arrancou oficialmente a 23 de Outubro no Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, com a inauguração da exposição “Antológica – Resende”, na sala das exposições temporárias, de uma Linha do Tempo na sala do Acervo, e d’ “Evocação” da intimidade do artista na casa-atelier.