Isabel Simões
19 Janeiro, 2018
Eduarda Rosa
14 Março, 2018
Voltar

João Dias

16 Fevereiro, 2018
João Dias - Vestigio 07, 2016, 44x44cm, tinta membraba sobre madeira

João Dias – Vestígio 07

Artista: João Dias Título: Vestígio 07 Dimensões: 44x44cm Data: 2016 Técnica: tinta membrana sobre madeira
16 Fevereiro, 2018
João Dias - Artefacto de pedra 8 A, 2016, tinta membrana e cimento reforçado, 36x28x18cm

João Dias – Artefacto de pedra 08

Artista: João Dias Título: Artefacto de pedra 08 Dimensões: 36x28x18cm Data: 2016 Técnica: tinta membrana sobre cimento reforçado

SOBRE:

Lisboa (Portugal), 1983

João Dias é um artista visual com foco no desenvolvimento de linguagens visuais que exploram relacionamentos entre Escultura, Arquitetura e - particularmente – as práticas da Arqueologia.

Para tal, utiliza estratégias de pensamento decorrentes da Pintura e do Desenho, a fim de explorar mediums e materiais contemporâneos industriais, refletindo sobre os limites da linguagem plástica e da tradição.

Com os seus trabalhos, procura criar elementos que, de algum modo, representem o tempo em que são produzidos, tornando-se potenciais artefactos – produtos ou sub-produtos – da sua própria época (ainda que sem temporalidade identificável). Sendo o seu foco principal a escultura em espaço público, numa dinâmica site-specific, respeitando o espaço envolvente, numa reflexão permanente entre a obra, o visitante (explorador) e o mundo natural envolvente.O seu trabalho tem sido apresentado em Portugal (destacando-se exposições em Lisboa, Porto e Viseu) e internacionalmente em cidades como Munique, Berlim, Danzigue, Barcelona, Múrcia, Londres, Paris, Los Angeles, São Francisco ou Nova York.

Foi premiado com a bolsa INOV-ART para a cidade de Berlim onde viveu e trabalhou desde 2008 a 2012.

Fundou (2018) e é Director Artístico do POLDRA – Public Sculpture Project Viseu , uma iniciativa que pretende promover o debate em torno à Arte em Espaço Público, nomeadamente quanto à definição/redefinição da temática da escultura (poldra.com) e que permitiu a criação de um Circuito de Escultura Pública na Mata do Fontelo (Viseu, Portugal). A sua obra pode ser encontrada nas coleções de Arte da Fundação PLMJ, Coleção Edge Arts, Coleção de Múltiplos Carpe Diem, e Pacific Felt Factory.

A sua obra de espaço público pode ser encontrada em localizações específicas em Bodiosa, Tondela, Castelo Branco, Viseu e São Francisco (USA).

É representado pela Galeria das Salgadeiras (Lisboa, PT) e pela This Is Not a White Cube (TINAWC) (Lisboa, PT).