Exposições Antigas

convite maarte

Setembro / Outubro 2010

Uma personagem (raramente mais do que uma) envolvida numa actividade não explícita, ou estática olhando o observador, é apresentada no centro de uma imagem em que o espaço circundante é simplificado a pouco mais do que o horizonte, um interior, ou por vezes uma mancha. Algumas pistas aludem a um contexto histórico específico que no entanto nunca é inteiramente revelado. Finalmente a imagem sofre, com a acumulação de camadas de matéria pictórica, um processo de transformação algo acidental que gera ruído visual.         Carlos Seabra

 

Os trabalhos apresentados fazem parte de um vasto conjunto de imagens criadas a partir de 2006 que circundam questões relacionadas com o atelier, o processo de criação, o artista. Neste caso, apresenta-se imagens com diferentes objectos do universo íntimo: a escova dos dentes, o corta unhas, o frasco de perfume, a lata do creme, o papel higiénico, etc… Os objectos formam manchas negras de contornos irregulares centrados num papel de fotocópia branco de grandes dimensões (64x91cm) sobre o qual foi espalhada uma fina camada de verniz. O suporte comum, de aspecto frágil, e o desenho preto/branco, rude, desta colecção de elementos relacionados com a higiene pessoal remetem-nos para o intimo, para o sujeito, para o próprio.  Francisco Cardoso Lima

 

“Will you be back?” - A série “Will you be back?” é composta por 10 fotografias realizadas a partir de negativos dos anos 60 do século XX, resgatados do arquivo de um estúdio fotográfico comercial. Referem-se a cenas de mulheres com crianças fotografadas no mesmo cenário e apresentam a emulsão quebrada. Quando vistas em conjunto e deslocadas do seu contexto original estas imagens podem produzir uma outra representação da realidade. O que parecia ser um momento singular resultava afinal de uma padronização imposta pelos dispositivos técnicos e de gosto comandados pelo fotógrafo. As fotografias fragmentadas evocam um sentimento de perda e incerteza ao mesmo tempo que dissolvem a aura, lembrando-nos que afinal são apenas objectos.    João Margalha

…pintura que se constrói lentamente em reorganizações espaciais e cromáticas que tomam como ponto de partida a anterior camada num tratamento de cor e espaço …este processo é movido por uma intenção eminentemente ética, em que o pintor se coloca no cruzamento de uma multiplicidade referencial, não procurando uma hipotética e conceptual unidade da obra, trabalha-a na interacção do seu universo referencial …num eterno retorno aos problemas de construção plástica da obra.         “Pedro Andrade”, D.S.

 

Má-arte – colectiva

Setembro / Outubro 2010 Uma personagem (raramente mais do que uma) envolvida numa actividade não explícita, ou estática olhando o observador, é apresentada no centro de […]

Permanências – Miguel Telles da Gama e Pedro Pascoinho

Abril / Maio 2010  

Sustentável Leveza – Casa da Cultura de Coimbra

Março / Abril 2010 Sustentável Leveza Este conjunto de quatro obras apresentado na Casa Municipal da Cultura de Coimbra foi sendo constituido a partir de uma […]

Flowers & Champagne – Ana Pimentel

Dezembro 2008

Laboratório dos Afectos – Quinta das Lágrimas

Outubro 2008 a Janeiro 2009 Laboratório Afectos encontrou na Quinta das Lágrimas o espaço ideal para se apresentar. Tendo como ponto de partida a trágica história de […]

Personagens – David Etxeberria e Susana Pires

Setembro / Outubro 2008  

Mostra Verão 2008

Agosto / Setembro 2008

MISUSE – Cláudia Mateus

Julho 2008 Na presente exposição MISUSE, Cláudia Mateus (1979) apresenta um conjunto de trabalhos recentes fundado nas noções de tempo e espaço enquanto princípios de antítese ou de […]

CHILDHOOD’S SPACES – Gil Maia

Maio 2008 Construções Felizes (...) Uma articulação de superfícies e de formas, um colorido bem escolhido onde pontuam o azul, o laranja, o branco e sempre […]

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com