Exposições Antigas

Abril / Maio 2016

 

“Tudo o que nos rodeia tem uma história, um significado, uma definição. Nem tudo o que vemos tem a mesma percepção visual e sentimental entre sujeitos. Por exemplo, a novidade visual de um Drone num concerto ou numa festa tem para muitos um significado “olá estou aqui...” mas para muitos outros é uma leitura para um comando mais obsessivo de controlo ou de “Big brother”, numa previsão futurista do destino da Humanidade. Encontramos esta reflexão nas obras de Gabriel Garcia [...].

Hoje somos “bombardeados” por imagens que entram através das redes sociais de uma forma banal que nos fazem viver numa grelha visual sem filtros. Deixámos de saber o que é verdade ou falso, genuíno ou ridículo e passámos a fazer parte de alguma coisa que não é nossa, de um espaço que não reconhecemos. [...] Passámos a ser seguidores de alguém a centenas ou milhares dequilómetros de distância através de imagens, um olho gordo sobre tudo. Agora somos observadores de vidas alheias. Fazem-se histórias a partir de um instante de um “pixel”. Não controlamos o que pretendemos das imagens, dos objectos ou dos acontecimentos.

Será que pintura ainda faz sentido? Numa sociedade em que a imagem é trivial e pode ser recolhida por cada um de nós? [...] Os conceitos da pintura mudaram ao longo dos séculos com o decorrer das alterações sociais e económicas e do pensamento filosófico. Por um lado reconhecemos na pintura clássica a utilização do modelo, da natureza morta, do cavaleiro, da águia-real e outras cenas intemporais. Na pintura de Gabriel Garcia transformaram-se em outras asas de voo, em outras naturezas mortas, em outros cavaleiros. A representação é a da criatura individual da era digital. A expressão é a da solidão, do vazio, da desolação e da estagnação da vida humana, exposto nas figuras anónimas que jamais se comunicam. Pintura que evoca o silêncio, a restrição, e que exerce frequentemente um forte impacto psicológico.

Despoletar o sentir universal do Homem, as circunstâncias das suas vivências e das suas memórias reais ou construídas, é o trabalho intelectual para que Gabriel Garcia nos convoca, num processo onde a ironia, o desejo, o inesperado e o maravilhoso se mantêm, e que está bem visível nesta exposição.

Nascido na ilha do Pico, Açores, circunstância que lhe moldou a forma de sentir e ver o Mundo, nunca, até esta série de trabalhos, GabrielGarcia tinha mostrado tão claramente no seu trabalho o isolamento, a noção de estarmos acompanhados mas sós, e a necessidade de nos agregarmos.”

Gabriel Garcia

Isabel Vaz Lopes

 

Ver catálogo da exposição:

V.A.N.T. – Gabriel Garcia

Abril / Maio 2016   “Tudo o que nos rodeia tem uma história, um significado, uma definição. Nem tudo o que vemos tem a mesma percepção […]

O carro à frente dos bois – Vítor Pomar

Fevereiro / Março 2016 O CARRO À FRENTE DOS BOIS Estamos perante uma realidade de que ignoramos a substancia. Protagonizamos uma personagem que se desconhece. No […]

Arte de Bolso 2015

Dezembro 2015 / Janeiro 2016

Sentido Obrigatório – Carlos No

Outubro / Novembro 2015 A Galeria SETE completa a sua primeira década de existência e resistência, em Coimbra. Tem sido uma infância quase toda passada em confronto […]

Micro-Selfie – Susana Chasse

Maio / Junho 2015 Como diz a própria artista, “Micro-Selfie, ou a ausência do auto-retrato. A desconstrução da acepção de Selfie por via da aproximação micro para […]

Tudo menos outra coisa – João Jacinto e Mariana Gomes

Março / Maio 2015 Esta mostra, de dois artistas e funcionando como duas exposições individuais (porque cada uma ocupa espaço distinto na galeria) não deixa, contudo, de ser uma […]

Arte de Bolso 2014

Dezembro 2014 / Janeiro 2015

Rapsódia em Azul – Sofia Areal

Março /Abril 2014 Em relação à sua própria forma de olhar o trabalho que faz, a artista admite sentir-se impelida a procurar por essa via a […]

Arte de Bolso 2013

Dezembro 2013 a Janeiro 2014

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com